Amoreira, e as origens das Freguesias de Vau e Olho Marinho

Consta que volta de 1740, terá vindo a banhos às Caldas da Rainha o rei D. João V. Acompanhado pelos infantes seus filhos D. José e D. Pedro que tinham como propósito seguir para a lagoa de Óbidos onde pescariam e caçariam. D. Pedro, que viria a ser o rei D. Pedro III, ao pescar junto à restinga entre a lagoa e o mar terá sido arrastado por uma vaga pondo em perigo a sua vida, uns pescadores que andavam por perto logo se atiraram à água trazendo o Príncipe a salvo. Mais tarde quando o infante perguntou aos remadores da bateira o que poderia fazer por eles, foi-lhe pedido que transformasse o seu lugar em freguesia. E desta forma nasce a Freguesia do Vau por desanexação de parte da área da Freguesia da Amoreira a 12 de Janeiro de 1747.
A 5 de Março de 1925 nova desanexação dá origem á freguesia de Olho Marinho. O planalto de Cesaredas (onde se situa Olho Marinho), com os seus doze quilómetros de comprimento e dez de largura é uma vasta região desde sempre fértil em caça e água e por isso com vestígios de ser habitada desde a pré-história como comprova um crânio humano da época do Neandertal encontrado na gruta denominada “Casa da Moura”. As populações de recolectoras passaram a gregárias e os primeiros núcleos foram-se instalando junto das magníficas nascentes de água que este local oferecia. Diz-se que Júlio César quando ainda era governador (viria a ser Imperador de Roma) teria por lá os seus cavalos a pascentar, tendo dado o nome de Cesaredas ao local. Também os árabes, depois de 715, deixaram a marca da sua presença como ainda hoje se pode constatar pelos símbolos esculpidos nas cantarias das casas em forma de coração e estrela de seis pontas.
Ao longo dos tempos as Cesaredas viriam a prosperar fruto de algumas quintas importantes que se instalaram naquela zona (como a do Furadouro) originando desenvolvimento em todos os sectores e novas iniciativas, como um moinho de enxofre para o combate do oídio, conhecido por Moinho do Pagador, uma moagem de cereais no ano de 1920 e uma banda filarmónica.
A prosperidade desta área foi criando nos seus habitantes a vontade de criar uma freguesia própria tendo surgido a 4 de Abril de 1886 a primeira petição, sucederam-se outras iniciativas que viriam a culminar em 1925 com a criação da Freguesia da Olho Marinho.
Com este segundo desmembramento ficou Amoreira confinada a 1.939ha dos 7.061 que possuía aquando da sua formação como Freguesia.
 
 
 

Morada

Freguesia de Amoreira
  Praça Dr. Azeredo Perdigão nº1
 2510-408 AMOREIRA - ÓBIDOS

Contactos

  (+351) 262 969 334
  (+351) 262 969 002
  (+351) 916 443 812

Horários

  Reunião de atendimento ao Publico
Segundas-Feiras de cada mês das 18:30h às 20h:00m
  Assembleia de Freguesia
Mês de Abril em dia a definir

Este Website utiliza cookies para proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ler mais Continuar

Cookies

Os cookies são ficheiros pequenos que são temporariamente armazenados no disco rígido do utilizador (cookies baseados em sessão). Estes cookies existem apenas enquanto durar a sessão da Internet. São utilizados para melhorar a facilidade de utilização de um Web site. Mesmo que não aceite a criação de cookies no seu computador, é possível utilizar uma parte do nosso Web site. Todavia, tenha em conta que poderá haver restrições em certas funções e/ou indisponibilidade de certas funcionalidades. A maioria dos browsers aceita automaticamente os cookies. No entanto, é possível contrariar essa aceitação definindo o browser para bloquear todos os cookies. Para obter mais informações, consulte as instruções disponibilizadas pelo fabricante do browser que utiliza.